Curta – Excessos

Sem o que fazer da vida e com preguiça de escrever, decidi postar um fragmento de fic – não pode ser considerada drabble porque tem mais de 100 palavras – que seria um plot para uma história que desisti de fazer. Comemoração a mudança do meu pseudônimo(não mais Cortez Hime, agora sou Aiko), nome dado pelo meu professor de Japonês. Decidi modificar o pseudônimo já que minha escrita esse ano modificou-se de forma brusca devido a diversos fatores na minha vida. Espero que não sintam falta do restante. Kiseo ❤

Sinopse: Segundo Marx, o capitalismo transforma as pessoas em coisas. Um menino de 17 anos com idade alterada para 21 em sua identidade para que possa se prostituir sem mais depender do tráfico aprecia a solidão que tal trabalho excessivo proporciona. Torna-se exclusivo de um cliente com o qual compartilha a solidão igualmente excessiva por outros motivos aparentes, mas no fundo os mesmo.

O pequeno prostituto e o menino trabalhador

O casal entrava em uma casa enorme. Kai impressionadíssimo com a morada de KyungSoo, não parava de sussurrar adjetivos como “encantadora” ou interjeições como “uau” não saíam de sua boca, consecutivamente também do seu olhar…

– Nossa! Que casa linda, Soo. – contemplava admirado o teto de mosaico feito com cerâmica indiana. – Deve ter custado uma fortuna.

O que mais impressionava Kai não era o estilo super excêntrico, mas a idade de KyungSoo para ter uma casa daquelas com o suor de seu trabalho. Até onde o prostituto sabia, seu cliente não era de família rica, e um dos motivos de contratar tanto seus serviços era devido a grande solidão que tinha por não ter amigos. Logo a casa ser emprestada ou alugada estava fora de cogitação.

– Segundo Ted Schmidt, a casa é o maior investimento que devemos fazer na vida, pois todos precisamos ter para onde voltar. – Carinhoso, guia seu polegar para o queixo do mais alto tentando fixar os olhos do outro nos seus.

– Você é tão inteligente, KyungSoo. – Sente a mão quente do mais velho acariciar o seu rosto enquanto apoia sua mão sensualmente por cima da dele.

– E você é lindo. – Diz contemplando o corpo do mais novo com admiração.

– Sou? – Puxa o mais velho para beijos eróticos. – Gostou da mercadoria? – Se vira de costas fazendo uma dança sensual com os quadris, roçando-se em Kyungsoo.

Soo o vira e começa a beija-lo bem delicado, com carinho.

– Não se chame de mercadoria. – Beija a mão do mais novo. – Você não é um objeto.

Kai sorri.

– Segundo “eu mesmo”, mercadoria é tudo que se venda.

D.O contribui o sorriso.

– Então, todos somos mercadorias…

Calaram-se com um beijo.

Autoria: Aiko

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s