Padronização da arte nas fictions – Tutorial de como não fazer essa merda

 

Há um tempo que ando batendo de frente com artigos, ou melhor, tutoriais sobre “como escrever fanfictions”; “como fazer um crítica literária”; pior de todos “como escrever”. Se vocês barrarem com esse tipo de de post, melhor sugestão: não leiam. 

Padronização: normatização, tornar regra. 
Arte: Maneira de manifestar um “senso estético”. Expressão do artesão. É independe de forma(meio de expressão). 

Ficou claro onde quero chegar? 
Como você normatiza – torna regra – algo intimista? 

Fui com uma amiga a uma exposição renascentista há um tempo. Alugamos uma mediadora que se formava em história da arte. Comentamos a primeira obra “Madonna dell’Umiltà’, de Gentile da Fabriano; quando o renascentismo se iniciava, por isso o forte traço gótico e a última “‘Maddalena’, de Ticiano, quando o movimento já estava com um pé no barroco. Questionamos uma padronização, treinamento que nos deram no ensino médio como táticas de descobrir qual movimento literário se apresentava no quadro, e citamos características comuns nos quadros renascentistas europeus,tipo a centralização do homem e afins. Ela disse que não há regras, e sim conceituações populares dentro do estilo. Até isso se perdeu no modernismo, movimento que considera a arte pela própria arte. 

Quando escrevo um fuffly, obviamente um lemon safado vai ser estranhado pelas menininhas, mas isso significa tabu? A partir de hoje, este fato acontecer em uma história a tornará ruim? Você está proibido de fazer isso! Não, não de escrever COMO VOCÊ QUER, e sim, normatizar expressões estéticas íntimas, padronizar a arte! 
Pare de achar que existe uma escola, que a expressão é um sistema e que gêneros e categorias não se misturam. Pare de impor aos outros como se deve comentar, escrever, sonhar. Isso é muito idiota. Existem livros comerciais que arrancam o dinheiro dos trouxas que se preocupam com isso, mas graças a Deus há escritores que simplesmente riem dessa palhaçada. 

Eu escrevi uma fic chamada “Tipos de lemon” que é uma crítica a quem não tem coragem de fugir dos clichês – muitas vezes o autor mal sabe o que realmente ocorre -, e INFELIZMENTE meninas transformaram aquilo em uma espécie de manual. Gente, EU NÃO TÔ NEM AÍ PRA COMO VOCÊS QUEREM QUE OS HOMI TREPEM. Aquilo foi uma brincadeira, se tu quer colocar ponto sensível no olho do cara, FODA-SE. A fanfic é tua! Tenho um milhão de artigos que apenas expressam a MINHA forma de pensar. Servem para debates, reflexões mas JAMAIS tornar moda. 

Ao fazer uma crítica literária, faça como quiser, salte os pontos que quiser, fale sobre o que quiser, o importante é o conteúdo que VOCÊ abstraiu. Quando fizer uma fic, ponha o que quiser, é a sua história, são os seus relatos. A arte é sua, é o seu modo de se expressar, não o dos toscos conservadores que falam mal de tudo e valorizam somente uma linha popular por puro ego e principalmente, por medo de ser criticado. Não dê ouvidos à regras no único espaço que não se deve regrar. Já tivemos o modernismo como prova, que movimentos mais teremos de passar para exterminar esse conservadorismo ENTRE JOVENS? 

Só lembrando que a minha crítica é para quem padroniza A ARTE, não a forma por onde ela é expressada. Ou seja não estou criticando as regras da ABNT, que dizem o que é ou não um texto, por exemplo: em uma resenha você tem que colocar pontos negativos, positivos e um resumo da história. Critico os padrões que querem dar À ARTE, à sua linha de raciocínio; como saltar ou não o lemon, criticar ou não escrita, desenvolvimento do conteúdo e afins, é a sua vez de entrar no jogo, é aí que você faz a sua arte, nos detalhes puramente artísticos, não no meio. A forma, os mecanismos que utilizamos para nos expressar tem suas regras, até mesmo para definição. Critico quem diz o que você deve ou não fazer em relação a própria expressão. Veja o nome do jornal, contra a padronização DA ARTE, não do meio em que ela se manifesta. 

Eu e a Thais conversamos sobre a diferença entre Incoerência e Intolerância dentro do espaço artístico. Quando um personagem é virgem, ele trepar feito um ator pornô na primeira vez é INCOERENTE. Quando uma ator fofo é solto na cama, se o leitor não aceita isso somente porque é uma fuffly, isso sim é intolerância no meio artístico. 

Ignore todo esses tutoriais de lixo, e se quiser ignorar este, fique a vontade também. ❤

Assistindo: Mary&Marx
Comendo: Sanduíche com patê de atum
Bebendo: Suco de manga

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s